domingo, 18 de outubro de 2009

Nós duas

domingo, 18 de outubro de 2009 5

Nunca nos vimos, nunca nos falamos, e a paciência vai fluindo no rio de águas turvas que a gente cria de propósito só porque somos assim. Um pouco diferentes e um pouco normais. Normais demais, demais todos os dias. E a normalidade do mundo pode algum dia conviver com a nossa? Mas é a mesma coisa, as mesmas preocupações. Duas criaturas que desejariam fugir para um universo bem distante, procurando aquela coisa em alguma estrela maior e brilhante. A gente queria mesmo é estar procurando Atlântida, como vivemos nas criações de Colin Thompson, navegando por aê nuns navios bem grandes e porcos da época medieval, queremos ser os marinheiros e as próprias sereias com os cantos a iludir quem passa. Meninas, meninos, bruxas, vampiros, putas, cowboys, vai tudo variando quando a gente tenta fugir de alguma coisa que sabemos bem como é. “Não me deixa ficar assim, meu Deus!”. Queremos uma boa dose de RUM que desça rasgando a garganta, queremos guelras só para ver como é explorar o inimaginável fundo do mar, onde homem nenhum foi! Mas não somos homens, somos duas mocinhas, e é por isso que a gente pode.

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Breve visita aos cantos do céu

terça-feira, 13 de outubro de 2009 5
E foi aqui, acima das nuvens, das próprias nuvens que eu recordo onde estive por uma vez apenas. Não em sonho, não por minha mente doentia, juro que sou mais saudável que aparento e que nunca seria capaz de imaginar tal extravagância antes mesmo de vê-la com os próprios olhos.
Foi repentino, e o manto branco esvoaçante e pomposo já esmigalhava-se perante o céu azul e límpido. Tudo tão claro e branco que fechei um pouco as pálpebras para apreciar. Apreciar o que? Apreciar o nada e tudo, porque aquilo era alguma coisa e coisa nenhuma ao mesmo tempo. Eu soube disso porque senti, e foi a primeira vez que senti algo depois de muito tempo.
O manto branco lembrou-me dos lençóis do mês de julho, tão lácteos, nas manhãs dos varais expostos, na terra. Estava sob tudo aquilo, desfeita completamente do inferno abaixo das nuvens. Tudo abaixo de tudo, como nas camadas de areia, desérticas como eu.
O sentimento de vida retomava meu profundo âmago de bicho entocado, o vento fluía forte ali, tão alto, tão alto. Ah! Eu me joguei! Finalmente libertada das hipocrisias, mentiras, ideologias. Fui caindo feito pássaro sem asas, suicida corajoso como sou. Mas fui caindo tão rápido, ao ponto de as palavras fugirem de mim, de me escapar o sentimento consumidor. Pensei “Meu Deus, e era pra ser assim?”.
Atravessei o manto branco, uma rocha, fiz um furo no abstrato do impossível inimaginável. Cambaleei pelas nuvens bobas, tentei agarrar-me à uma delas. Más! Nuvens tão impiedosas! Recusaram meu apelo, meus braços finos, e nada pôde segurar-me ali. Não era o local em que eu estava presa, inacreditável. Ouvi sussurros por toda a queda, como invasões. “Não és mais tão suicida assim, não?” Riram de mim? Ou foi apenas o vento a profanar perversidades pelos meus ouvidos? Das poucas certezas que achei que tivesse, fui despida friamente como num encontro brutal... Sei que a atmosfera inteira penetrava em minha pele, ouvidos, boca e olhos. Fogo! Fogo!
Antes de esparramar-me pelo chão, lembro de uma ultima olhada para o lençol branco agora tão distante. Havia sumido, se desfeito como neve desfalece em água, que evapora sem sentido algum. Não havia varal, nem lençóis, o mês era outubro.
E por mais que meu corpo gritasse de medo por dentro, consumindo o antes sentimento de vida que era pura mentira e miséria, o coração estava à favor da dependência, solene e fiel como sempre (mais dependente de mim que eu dele), recusei apelos externos, internos, e minha ciência num ápice de misericórdia sentiu-se agradecida com aquilo.
Incrivelmente ainda estava viva, minutos bônus para um ultimo suspiro de consciência. Talvez o manto fora mesmo para mim, talvez. O mais estranho foi ter saído do bueiro e voltado para o mesmo tão bruscamente. Então era aquilo que chamam “céu”?
Se for, não encontrei Deus, tampouco fui bem-vinda.
 
◄Design by Pocket Distributed by Deluxe Templates