domingo, 23 de agosto de 2009

Verme urbano e Inocência dualista

domingo, 23 de agosto de 2009
“I wish I was special
So very special
But I'm a creep
I'm a weirdo
What the hell am I doing here?
I don't belong here
I don't care if it hurts
I wanna have control
(...)”

É como se eu tivesse fechado os olhos para o mundo. E nas profundezas da alma encontrado uma fenda enorme saturada de vísceras, de liquido denso coagulado e de chorume. Estava camuflada, mas continuava ali, imóvel e descansada entre as sombras do meu coração, uma enorme poça a céu aberto, ignorada pelos sofredores e amantes anônimos deste poço chamando mundo. Mas antes, ninguém se importou se fedia, era só tapar o nariz e seguir em frente fingindo que não estivesse ali. Eu nunca estive ali.
Se eu ao menos tentasse olhar mais para dentro... Antes veria que tudo estava ficando turvo, que o coração bombeava veneno tristemente para as veias, e que as veias se dilatavam sem pena do meu corpo. Eu sentia tudo, cerrando os dentes. A carne sofreu. Começaram a trabalhar todos com vida própria, nada ligou para nada. Tornei-me uma grande fábrica sem comprador, uma construção tão rapidamente ruinosa, com o proletário desgastado, doente e apático. Estão todos trabalhando, tossindo dentro das minhas entranhas. Posso sentir o peso dessa prole antitética todos os dias, não há só ignorantes morando aqui. Corrupção!
O gabinete principal explodiu. Ouviram os fogos de lá, gente que nem sabia do mundo aqui dentro.
Não me movo quando estoura tudo, frequentemente, os cabos inundam meus braços, e se balanço muito, a lama me escorre pelos ouvidos. No todo, está tudo murchando e ensopando diariamente, expelindo sangue negro e nocivo das artérias.
Era nojo de vomitar gosma, era nojo de tocar todo o resto. Lixo-humano, porcaria canhenga. Matadouro aberto ao publico.
Chorei. Mas dos meus olhos saíram água pura.
Cortei, fatiei em pedaços rompendo os cabos e aos poucos a fábrica cessou.
No chão, o esgoto afetava a vizinhança.

9 Espectros:

nane-chan disse...

o esgoto afetava a vizinhança e se expandia para dentro das narinas de todos. Esse aroma fétido tornara-se água dentro dos outros, a mesma poça camuflada...

Brenda, tu escreve muito, amiga *-*
euteamo. s2

Canteiro Pessoal disse...

Brenda. Perdoe-me a demora por passar por aqui no agradecer pelo seu comentário. E confesso que estou maravilhada por seu espaço. sua escrita é sublime e deliciosa para se ler. Aprecio escrita de quem vomita, perdão pela expressão não muito bonita, mas é que psicografas sem formalidades e regras, e isso, é fantástico, que seria, uma certa leitura de alma. A sensação que tenho é revigorante e metamorfal. Bem. Acontece no momento que estou te linkado no meu espaço como parada obrigatória e que possamos torcar muitas ideias e aprendizados uma com a outra.

Bela semana!

Priscila Cáliga

O Profeta disse...

Não me queres dizer onde mora o teu sorriso
Ausente do incontido abraço
Ausente das palavras felizes
Envolto em nuvem escura no espaço

Não me queres dizer o rumo
Que leva ao teu terno coração
Não me queres abrir as portas
Da cor vibrante da paixão?


Bom domingo



Doce beijo

Víctor Hugo disse...

agradeço o comentario!!!
entrei desconfiado e levei um tapa na kra!!
texto perfeito..escreves muito !!! parabens!!!
abraço!

[M]. Cartágenes disse...

Merdas e bostas na vida a parte, acontecem... Elas servem pra dar uma guinada extra!
De qualquer forma, a gente cresce e aprende alguma coisa, mesmo que todo inferno ou céu aconteça em secreto na mente.

Caí de para-quedas aqui e gostei.
Paz!

Heitor Cardoso disse...

E ainda que os olhos se fechem,
covardes,
havera eterna lembrança.



É tudo um baque surdo, sentido sem saber.
Gostei desse pessimismo; atraente.

Te cuida.

juliana disse...

Radiohead é fantástico.
Essa musica fez parte da minha vida por mtos anos

beijo.

Willian Lins disse...

Esse texto me lembrou algo de Ferreira Gullar, meio que literatura marginal. Gostei!

beijos, Brenda :*

Danilo Castro disse...

Banho de chuva é dádiva como banho de mar. Um mistério que remove impuresas mais escondidas de alguém.

Molhe seus cabelos...
Remova sua roupa...
Faça da água o estímulo propulsor da renovação...

Abraços em pingos d'água!

Postar um comentário

 
◄Design by Pocket Distributed by Deluxe Templates